Das 2282 unidades produzidas do Porsche 911 RS (geração 964) apenas 76 assumiram a especificação Touring (M002).

Um membro de pleno direito da família Rennsport. Vamos até Itália percorrer as estradas da Targa Florio?

O mundo teve de esperar 17 anos pelo lançamento da segunda geração do RS. Valeu a pena a espera? Seguramente. A receita foi uma vez mais poupar peso, aumentar a potência e melhorar a dinâmica. Um trabalho que mais do que profundo, foi cirúrgico. Até porque a base de partida já era boa: o 964 Carrera 2.

E porque em equipa vencedora não se mexe, o fiável motor 3.6 litros flat-six do 964 Carrera 2 quase não foi alterado. Face ao C2, a gestão do motor foi melhorada e as peças internas do motor foram sujeitas a um controlo de qualidade mais apertado durante a produção (para diminuir as diferenças de rendimento entre cada unidade). O resultado foi um acréscimo de 10cv de potência e 15Nm de binário máximo.

Para poupar peso, várias peças foram aligeiradas. O capot em alumínio e as jantes em magnésio são apenas dois exemplos de modificações que contribuíram para a perda de 20kg de peso face ao C2. Por se tratar da versão Touring (M002) do 964 RS, a redução de peso não foi tão drástica como na versão Lightweight, acusando na balança 1320kg. Equipamentos como o ar condicionado, sistema de som, vidros aquecidos, tanque de combustível de 90 litros, iluminação interior, entre outros, continuam a marcar presença. A diferença de peso entre estes dois é de 100 kg.

Já na afinação dos diversos componentes não há diferenças a registar entrou o Touring e o Lightweight. As suspensões para além de serem 40mm mais baixas do que no C2, foram exaustivamente trabalhadas ao nível da afinação para oferecer um comportamento mais «justo e rigoroso». O motor também recebeu apoios mais duros e os tirantes da caixa de velocidades passaram a ser metálicos (para uma engrenagem mais rápida e firme). O diferencial traseiro e o sistema de travagem (herdado do 964 Turbo) também não foram esquecidos.

Alterações que todas somadas fazem uma notável diferença no feeling de condução do RS face ao C2.

IMG_2751

No interior, o logótipo RS no volante, os bancos desportivos (de série no RS) e o cinto encarnado recordam-nos que estamos ao volante de um 911 ainda (!) mais especial. Mas efectivamente, é quando atacamos as primeiras curvas que sentimos que estamos ao volante de um verdadeiro RS. Um modelo que para alguns pecará pela não adopção de soluções mais radicais, mas que agradará a outros pela compromisso entre performance e conforto. Características que aliadas à afamada fiabilidade da motorização 3.6 litros (M64/03) fazem deste Porsche 911 RS o companheiro de viagens ideal. Seja numa rotineira viagem profissional Lisboa-Porto, ou numa viagem mais prazenteira até Itália para percorrer as estradas da lendária Targa Florio. É consigo…

Esta unidade (das quais só foram produzidos 76 exemplares) é nacional, teve 3 proprietários e tem todo histórico disponível. Caso procure um exemplar com estas características contacte-nos.

Highlights desta unidade:

  • Matching Numbers;
  • Ar-condicionado;
  • Potencial de valorização elevado;
  • Versão rara de apenas 76 unidades (11 RHD e 65 LHD);
  • Condição 100% original;
  • Histórico;
  • 82.000km.

Galeria

Especificações


Motor: 6 cil. boxer (M64/03);
Cilindrada: 3.6 litros;
Transmissão: manual 5V (G50/10);
Tração: RWD;
Potência: 260 cv;
Binário: 325 Nm;
Quilometragem: 82.000km;

Prestações


0-100km/h: 5.4. seg.;
Vel. máx: 260 km/h;

Equipamento


Ar-condicionado; rádio; bancos em pele; ;

Condições gerais

Documentação: Sim;
A rodar: Sim; Histórico: Sim;